terça-feira, 16 de março de 2010

Yes, I've forgotten you just like I should

Ah! E o seu corpo era um triunfo; o seu corpo glorioso… o seu corpo bêbado de carne — aromático e lustral, evidente… salutar(A confissão de Lúcio, Mário de Sá Carneiro).
A boca movia-se falando alguma coisa lenta que não mais ouvia. Só via a boca muito fina e avermelhada, e a língua, volta e meia insinuando-se entre os lábios, até parar completamente.
Quando não era a boca era o ventre. Pêlos no ventre. Enrolados, pequenos caracóis. Uma mão descia pelo abdômen, onde outros pelos se exibiam e iam escasseando até ali, naquele risco, cauda de algum cometa. A mão descia despreocupada até o botão da calça jeans, desmaiando logo na curva do quadril. Uma mão muito branca, as pontas dos dedos muito finas e, ainda assim, uma mão enorme que, despreocupada, percorria manso aquele espaço.
A mão descansando sobre o sofá, os dedos frouxos. Os braços. Os braços em desacordo. Um braço a descansar desconfortavelmente ao lado do corpo quase estendido. O outro, a ponta do cotovelo apontando para cima, o limite antes do pulso, cabelos escondendo a extremidade. Cabelos tocando o pulso. Cabelo insistente e abundante, tocando o queixo, disputando com os minúsculos e já proeminentes pêlos que começam a nascer, sinal de algum descuido ou esquecimento. O queixo revive por que a boca novamente, a boca se abre um pouco, fecha-se e comprime-se para ajudar a engolir a saliva do sono. É possível saber o percurso da saliva ao olhar para o pescoço. Um close ajudaria. O pescoço muito perto; movimento de saliva descendo. Esse processo iria fazer com que o percurso voltasse ao seu início: pescoço, abdômen, ventre, quadril.
Seria preciso fazer cortes, assim: a mão de dedos frouxos sobre o sofá frouxamente procura uma entrada pelo caminho do cometa, a calça jeans a esconder os dedos, a mão se aprofundando para brincar dentro do sono. Corte / close: a testa movimenta-se, os olhos já fechados comprimem um pouco, para logo suavizarem, os cabelos como que sentem. Corte/close: a boca. A boca entreaberta permitindo que as pontas brancas dos dentes ficassem, por um momento, visíveis. Respiração, o ar entra, o ar sai, gemido quase surdo, a boca fecha e comprime, a língua sente os lábios que ficam úmidos.... prazer... a língua se esconde. As narinas imperceptivelmente dilatam-se, mais ar saindo. Leve Afastamento: a mão que o cabelo escondia, revela-se. Os dedos engolem os cabelos, a mão repousa sobre a cabeça, os dedos frouxos, frouxas carícias nos redemoinhos. A mão engolida pela calça jeans aos poucos começa a retornar. Os dedos revelam-se. As pontas dos dedos fazem carícia no ventre.
Lado oposto: Uma perna descuidada estende-se, bate no copo vazio. Leve som de pequena queda. Close: o copo roça o chão num instante mínimo. Barulhinho de vidro roçando o chão. O copo pára. Close: olhos. Os olhos entreabrem. Fecham. Abrem-se por completo. Azul e cinza, os olhos. Os olhos devem estar olhando para quem olha, em silêncio. Os olhos em silêncio, abrigo sobre montanha ao longe, solitário.
Abro os olhos. A música continua, a voz muito grave: But I get along without you very well, of course I do… e isso parece alguma dor _ Yes, I forgotten you just like I should_ except when I hear your name_ or someone laughs that is the same … e continua…continuo…WHAT – A – FULL – AM – I ? …
No sofá à frente não repousa prazer ou desejo. A janela atrás revela um céu azul, cinza, olhando pra quem olha, em silêncio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desinbucha! fala tudinho! põe p'ra fora! Solta... Vâmo lah!